Programas de Mobilidade

Ana Sofia Borges

Perfil

Bioengenharia Molecular e Celular, Engenharia de Tecidos e Medicina Regenerativa

Quando é que participaste no programa de mobilidade?

4º ano - 1º semestre

Estudaste em que universidade, cidade e país?

TU Delft, Delft, Holanda

Quais foram os fatores que influenciaram a escolha do teu destino no programa de mobilidade?

Ranking universitário, O facto de ter duas vagas.

O que te motivou a participar no programa de mobilidade?

Ganhar experiência pessoal, Viajar para um país estrangeiro e conhecer uma nova cultura, Melhorar o CV, Interesse na experiência Erasmus em si.

Descreve o teu processo de escolha das UCs realizadas no estrangeiro. Tiveste algum problema? Como o resolveste?

Os meus critérios foram escolher cadeiras semelhantes às que teriam no IST e evitar sobreposições nas aulas e exames. Tentei também despachar as cadeiras de tronco comum em Erasmus para ter mais liberdade quando voltasse. Foi necessário alterar o learning agreement por haver sobreposição de exames das cadeiras escolhidas, que só soube após a entrega do documento. Bastou encontrar novas possíveis cadeiras e entrar em contacto com o coordenador de cada país para resolver o assunto.

Consideraste o método de ensino e trabalho muito diferente? Em que aspetos?

Ensino mais baseado no estudo autónomo, com menos carga horária. Não havia aulas práticas. As aulas eram gravadas por isso podiam ser vistas em casa.

Como foi o processo de arranjar casa no estrangeiro?

Foi simples, bastou esperar pelo email da DUWO, que é a empresa associada às residências de estudantes.

Sentiste algum choque cultural? Conta algumas curiosidades acerca da diferença de culturas que presenciaste.

Os holandeses são pragmáticos, produtivos e muito directos. Trabalham a sério durante o seu horário, parando só para comer qualquer coisa muito rápida, nada de grandes almoços. Todos têm opinião formada sobre tudo. Falam muito bem inglês, seja na Universidade ou no supermercado. Os transportes são muito bons, o que é óptimo para viajar. Têm celebrações diferentes, como o Sinterklaas para quem vai de Erasmus no 1º semestre, e é bastante interessante descobrir essas tradições.

Em relação às equivalências de notas. Subiste/desceste a média? Ficaste satisfeito com o processo?

Desci a média. Na altura o coordenador quis dar uma nota ao Erasmus como um todo, em vez de fazer cadeira a cadeira. Depois de falarmos, optou pela última hipótese, mas mesmo assim as equivalências foram mais baixas do que no ano anterior, em que tinha havido outro coordenador.

Recomendas o programa de mobilidade? Porquê?

Recomendo activamente o programa de mobilidade pois é uma oportunidade única que não voltará a surgir facilmente! Crescemos e aprendemos muito por termos de nos desenrascar num país diferente e com tantas coisas novas. Mais do que recomendar pelos estudos e CV, recomendo pela experiência em si!

Joana Vaz Sousa

Perfil

Bioengenharia Molecular e Celular, Engenharia de Tecidos e Medicina Regenerativa

Quando é que participaste no programa de mobilidade?

4º ano - 1º semestre

Estudaste em que universidade, cidade e país?

ETSIT-UPM, Madrid, Espanha

Quais foram os fatores que influenciaram a escolha do teu destino no programa de mobilidade?

Média curricular (tua e dos teus colegas), Cultura

O que te motivou a participar no programa de mobilidade?

Ganhar experiência pessoal, Viajar para um país estrangeiro e conhecer uma nova cultura

Descreve o teu processo de escolha das UCs realizadas no estrangeiro. Tiveste algum problema? Como o resolveste?

Pesquisei na página da faculdade a descrição das UCs que tinham disponíveis e comparei com as UCs do IST de forma a encontrar semelhanças entre elas para facilitar a questão das equivalências. Quando regressei, quis alterar uma das UCs de equivalência do IST e foi um processo bastante fácil e sem complicações. Também tinha a oportunidade de alterar, no primeiro mês do programa, alguma UC na ETSIT se assim o desejasse.

Consideraste o método de ensino e trabalho muito diferente? Em que aspetos?

Achei o ambiente mais tranquilo relativamente à carga de trabalho que era mais reduzida do que no IST, apesar de ter estado a fazer mais UCs do que normalmente fazia no IST. Além disso, gostei do facto de ter tido UCs com praticamente componente prática e não apenas teórica.

Como foi o processo de arranjar casa no estrangeiro?

Fiquei a viver com uns familiares muito perto da faculdade, por isso foi um processo extremamente fácil.

Sentiste algum choque cultural? Conta algumas curiosidades acerca da diferença de culturas que presenciaste.

Espanha é muito similar a Portugal, mas penso que desfrutam mais do que os portugueses. São mais descontraídos e aproveitam melhor os momentos fora do horário de trabalho, ou da faculdade, neste caso.

Em relação às equivalências de notas. Subiste/desceste a média? Ficaste satisfeito com o processo?

Subi bastante a minha média. O processo de lançarem as notas foi bastante demorado, mas decorreu normalmente.

Recomendas o programa de mobilidade? Porquê?

Sim, claro! É sempre uma boa oportunidade para podermos alargar horizontes, experimentar coisas novas, conhecer outras culturas e pessoas.

Mariana Falcão

Perfil

Imagiologia, Biossinais e Instrumentação Biomédica

Quando é que participaste no programa de mobilidade?

4º ano - completo

Estudaste em que universidade, cidade e país?

École Polytechnique Fédérale de Lausanne, Lausanne, Suíça

Quais foram os fatores que influenciaram a escolha do teu destino no programa de mobilidade?

Ranking universitário, Variedade de investigação realizada na minha área de interesse

O que te motivou a participar no programa de mobilidade?

Na faculdade estrangeira, as disciplinas e o seu programa pareceram mais interessantes do que no IST, Ganhar experiência pessoal, Viajar para um país estrangeiro e conhecer uma nova cultura, Melhorar o CV

Descreve o teu processo de escolha das UCs realizadas no estrangeiro. Tiveste algum problema? Como o resolveste?

Pedi ajuda às pessoas que tinham ido antes e eles partilharam comigo as UCs que tinham feito

Consideraste o método de ensino e trabalho muito diferente? Em que aspetos?

Cada cadeira é mais generalizada do que as do técnico, o que as torna mais simples. Porém, tinha muito mais cadeiras por semestre, o que tornou a carga horária e de trabalho semelhante.

Como foi o processo de arranjar casa no estrangeiro?

Difícil. Quando não se conhece e não se vai para lá mais cedo torna-se complicado. Há muitas residências, mas têm que conseguir lugar, o que nem sempre é facil. Há muitas plataformas de aluguer de quartos e casas, mas também há muita procura. O meu concelho para quem for para lá e não encontrar nada antes é ir uns dias para um airbnb e fazer uma de duas coisas: visitar quartos/casas nessa altura (procurem nos grupos do facebook de aluguer de quartos, há imensos) ou ir diretamente à cadeia de residências de estudantes (FMEL) pedir um quarto.

Sentiste algum choque cultural? Conta algumas curiosidades acerca da diferença de culturas que presenciaste.

A malta trabalha muito lá, e os preços das coisas são mais caros do que em Portugal, mas tirando isso não senti muito o choque cultural. É uma universidade muito internacional.

Em relação às equivalências de notas. Subiste/desceste a média? Ficaste satisfeito com o processo?

Desci a média, o que não me deixou contente, obviamente. Porém, a longo prazo continua a ser uma vantagem, visto que as médias não são assim tão importantes.

Recomendas o programa de mobilidade? Porquê?

Sim. A experiência é em todos os níveis vantajosa. Podemos conhecer um ambiente completamente diferente do nosso, tanto a nível social como escolar e ganhamos amigos para a vida. Para além disso, ganhamos uma experiência internacional que de outra forma seria dificil de conseguir, o que nos benefecia a nós enquanto pessoas e ao nosso currículo também :D

Marta Conceição

Perfil

Imagiologia, Biossinais e Instrumentação Biomédica

Quando é que participaste no programa de mobilidade?

4º ano - 1º semestre

Estudaste em que universidade, cidade e país?

DTU, Kongens Lyngby, Dinamarca

Quais foram os fatores que influenciaram a escolha do teu destino no programa de mobilidade?

Ranking universitário, Cultura

O que te motivou a participar no programa de mobilidade?

Na faculdade estrangeira, as disciplinas e o seu programa pareceram mais interessantes do que no IST, Ganhar experiência pessoal, Viajar para um país estrangeiro e conhecer uma nova cultura, Melhorar o CV

Descreve o teu processo de escolha das UCs realizadas no estrangeiro. Tiveste algum problema? Como o resolveste?

Escolhi tendo em conta as sugestões de colegas de anos acima do meu, as que me pareceram mais interessantes de entre a lista de todas as cadeiras que a faculdade oferecia para o semestre respetivo, e também de modo a garantir que teria o máximo de equivalências possível (no meu caso, 4 cadeiras de 4º ano e 1 de 5º ano).

Consideraste o método de ensino e trabalho muito diferente? Em que aspetos?

Sim, penso que a componente prática na DTU é muito maior do que no IST, sendo a avaliação mais baseada na realização de projetos e menos na componente teórica. Ao contrário do que ocorre no IST, lá muitos dos exames são orais e não escritos, são por vezes feitos com consulta, e são baseados não só na teoria aprendida ao longo do semestre mas também nos próprios projetos desenvolvidos. Além disso, há uma proximidade muito maior entre alunos e professores, os quais por norma são bastante acessíveis.

Como foi o processo de arranjar casa no estrangeiro?

No meu caso foi bastante simples, apenas tive de preencher um formulário com a minha ordem de preferências de entre as possibilidades que a faculdade disponibiliza para os alunos (entre diferentes tipos de residências, e quartos em casas de famílias locais). No entanto, tive bastante sorte em conseguir ficar onde pretendia, pois o número de candidatos a essas habitações é muito superior ao disponível, e por isso soube de vários casos de alunos que tiveram de procurar autonomamente, nomeadamente através de grupos no facebook e afins.

Sentiste algum choque cultural? Conta algumas curiosidades acerca da diferença de culturas que presenciaste.

Em termos de ambiente de faculdade senti que a maioria dos alunos é bastante autónoma e que estão muito envolvidos na componente prática, sendo que é bastante fácil envolverem-se em projetos na área de interesse por iniciativa própria e mesmo por sugestão dos professores das diferentes cadeiras (o que cá penso que não será tão comum). Em termos da população dinamarquesa, senti que o nível de civismo é muito mais desenvolvido do que em Portugal, apesar de já o esperar enquanto país nórdico, não sendo por isso apenas um país muito desenvolvido em ciência e tecnologia, mas também em termos de sociedade. Também fiquei com a sensação de que as pessoas lá são, em geral, mais reservadas do que em Portugal, mas não menos simpáticas. Um aspeto muito positivo é o facto de quase toda a população falar inglês fluentemente, e por isso ser muito fácil comunicar lá.

Em relação às equivalências de notas. Subiste/desceste a média? Ficaste satisfeito com o processo?

Desci muito pouco. Achei o processo justo, talvez até mais do que para outras faculdades.

Recomendas o programa de mobilidade? Porquê?

Sim, é uma experiência excelente a todos os níveis, e no final deixa sempre saudades. Recomendo mesmo!

Pedro Sabido

Perfil

Imagiologia, Biossinais e Instrumentação Biomédica

Quando é que participaste no programa de mobilidade?

4º ano - 2º semestre

Estudaste em que universidade, cidade e país?

TU, Graz, Aústria

Quais foram os fatores que influenciaram a escolha do teu destino no programa de mobilidade?

Cultura, Ser no centro da Europa, sendo bom para viajar

O que te motivou a participar no programa de mobilidade?

Na faculdade estrangeira, as disciplinas e o seu programa pareceram mais interessantes do que no IST, Ganhar experiência pessoal, Viajar para um país estrangeiro e conhecer uma nova cultura, Melhorar o Alemão

Descreve o teu processo de escolha das UCs realizadas no estrangeiro. Tiveste algum problema? Como o resolveste?

Por ser no segundo semestre a escolha das cadeiras é um pouco mais limitativa porque há menos opções (o 2º semestre de 5º ano é para tese). No entanto, para o perfil de Sinais não foi muito difícil arranjar equivalências.

Consideraste o método de ensino e trabalho muito diferente? Em que aspetos?

Era um pouco diferente. Cada cadeira só tinha uma aula teórica por semana. Além disso, há uma maior componente prática (avaliada à parte). O facto de a maioria dos exames ser oral também é uma grande diferença.

Como foi o processo de arranjar casa no estrangeiro?

Como é uma cidade universitária, existem muitas residências de estudantes. Assim, foi escolher a que mais me interessava e pesquisar qual era o processo de candidatura (bastante acessível). No entanto, as residências são mais caras do que as de cá.

Sentiste algum choque cultural? Conta algumas curiosidades acerca da diferença de culturas que presenciaste.

Não, esperava que as pessoas fossem mais fechadas, mas pelo contrário.

Em relação às equivalências de notas. Subiste/desceste a média? Ficaste satisfeito com o processo?

Subi a média. Fiquei satisfeito com o processo.

Recomendas o programa de mobilidade? Porquê?

Sim, porque é uma ótima oportunidade para tirar férias durante o curso!

Rosa Lourenço

Perfil

Imagiologia, Biossinais e Instrumentação Biomédica

Quando é que participaste no programa de mobilidade?

4º ano - 2º semestre

Estudaste em que universidade, cidade e país?

Politécnico Di Milano, Milão, Itália

Quais foram os fatores que influenciaram a escolha do teu destino no programa de mobilidade?

Ranking universitário, Cultura

O que te motivou a participar no programa de mobilidade?

Ganhar experiência pessoal, Viajar para um país estrangeiro e conhecer uma nova cultura, Melhorar o CV

Descreve o teu processo de escolha das UCs realizadas no estrangeiro. Tiveste algum problema? Como o resolveste?

A organização do curso de biomédica em Milão é muito semelhante à do técnico pelo que o processo de equivalências é fácil.

Consideraste o método de ensino e trabalho muito diferente? Em que aspetos?

Sim, o método de ensino é diferente pois é focado na parte teórica. Contudo a maioria das cadeiras tem projetos que nos dao hipótese de aplicar a parte prática.

Como foi o processo de arranjar casa no estrangeiro?

Arranjar casa em Milão pode ser complicado. Existem muitos grupos no Facebook mas eu fi-lo através de outras alunas de biomédica que já estavam lá e tinham o contacto do senhorio.

Sentiste algum choque cultural? Conta algumas curiosidades acerca da diferença de culturas que presenciaste.

Não, acho que a maior diferença é o facto dos italianos em geral não falarem inglês, mas não é um obstáculo até pelas parecenças da língua com o português.

Em relação às equivalências de notas. Subiste/desceste a média? Ficaste satisfeito com o processo?

Desci a média.

Recomendas o programa de mobilidade? Porquê?

Recomendo a 100%. Não só pelo desafio que é, mas também a nível curricular mostra se cada vez mais importante uma experiência internacional.

Vanda Oliveira

Perfil

Biomecânica e Dispositivos Biomédicos

Quando é que participaste no programa de mobilidade?

4º ano - 1º semestre

Estudaste em que universidade, cidade e país?

Technical University Munich (TUM), Munique, Alemanha

Quais foram os fatores que influenciaram a escolha do teu destino no programa de mobilidade?

Ranking universitário, Localização de Munique

O que te motivou a participar no programa de mobilidade?

Ganhar experiência pessoal, Viajar para um país estrangeiro e conhecer uma nova cultura

Descreve o teu processo de escolha das UCs realizadas no estrangeiro. Tiveste algum problema? Como o resolveste?

Sim, uma vez que não existe o curso de Engenharia Biomédica na TUM, pelo que tive de escolher cadeiras de outros cursos. Isto foi um problema uma vez que é necessário ter 50% das cadeiras num departamento, o que é complicado quando queremos ter equivalências a cadeiras tão diferentes como as que correspondem ao currículo de MEBiom no 4º ano, 1º semestre. Para além disto, algumas cadeiras do Learning Agreement inicial não abriram na TUM no semestre em que fui. No entanto, consegui encontrar outras cadeiras e consegui equivalência a tudo.

Consideraste o método de ensino e trabalho muito diferente? Em que aspetos?

Sim. Na TUM não existe trabalho durante o semestre, tudo se resume a um exame final em Fevereiro. Para além disto, a carga horária é bastante reduzida (nomeadamente quando comparada com a do IST). Isto permitiu acompanhar todas as cadeiras bastante facilmente durante o semestre e chegar a Fevereiro sem ter muito que estudar, e ainda que durante o semestre haja tempo para viajar bastante e fazer outras actividades que com o carga horária e o trabalho que o IST implica, não seria possível. Quanto às aulas, são bastante teóricas, não havendo práticas como estamos habituados. Quanto aos exames, não são difíceis pois os professores preparam-nos bem para estes. Existem ainda várias visitas de estudo que nos permitem perceber o porquê de aprendermos o que estamos a aprender (ex: visita ao Synchrotron da TUM e ao lab onde fazem CTs)

Como foi o processo de arranjar casa no estrangeiro?

Foi-me atribuída uma casa (bastante barata tendo em conta a cidade) pela "cidade" uma vez que era estudante de Erasmus. Não tive trabalho nenhum, foi só aguardar que me enviassem um email.

Sentiste algum choque cultural? Conta algumas curiosidades acerca da diferença de culturas que presenciaste.

Não muito. O maior choque é de facto a falta de empatia das pessoas alemãs, nomeadamente dos alemães do sul (Bayern), onde Munique se insere. No entanto, só lidava com isto quando ia às compras ou comer fora, uma vez que os estudantes não se incluem neste estereótipo.

Em relação às equivalências de notas. Subiste/desceste a média? Ficaste satisfeito com o processo?

Subi ainda consideravelmente a minha média. Fiquei sim, senti que aprendi mais do que no Técnico, uma vez que tive tempo para realmente aprender e não só memorizar como fazer exercícios.

Recomendas o programa de mobilidade? Porquê?

Sim. Devem ser poucas as experiências na vida tão enriquecedoras como a experiência que é Erasmus. Aprender novas culturas, tornares-te mais independente, viajar todas as semanas, sair todos os dias. Quando é que vais ter a oportunidade de viver esta vida sem ser em Erasmus?

Anónimo

Perfil

Imagiologia, Biossinais e Instrumentação Biomédica

Quando é que participaste no programa de mobilidade?

4º ano - 1º semestre

Estudaste em que universidade, cidade e país?

Itália,Milão,Polimi

Quais foram os fatores que influenciaram a escolha do teu destino no programa de mobilidade?

Ranking universitário, Média curricular (tua e dos teus colegas)

O que te motivou a participar no programa de mobilidade?

Ganhar experiência pessoal, Viajar para um país estrangeiro e conhecer uma nova cultura

Descreve o teu processo de escolha das UCs realizadas no estrangeiro. Tiveste algum problema? Como o resolveste?

Escolhi as mais semelhantes curricularmente ou as mais interessantes, que ainda assim pudessem dar equivalência. Consegui ter equivalência a todas as cadeiras de 4ano, 1semestre

Consideraste o método de ensino e trabalho muito diferente? Em que aspetos?

Ensino muito mais teórico que no técnico, mas carga de trabalho muito inferior (poucos projectos, poucos testes, poucos labs)

Como foi o processo de arranjar casa no estrangeiro?

Fiquei numa residência da universidade. Fácil se se candidatarem atempadamente

Sentiste algum choque cultural? Conta algumas curiosidades acerca da diferença de culturas que presenciaste.

Poucas diferenças, mas ainda assim interessantes

Em relação às equivalências de notas. Subiste/desceste a média? Ficaste satisfeito com o processo?

Desci significativamente a media, nao fiquei satisfeita com o processo

Recomendas o programa de mobilidade? Porquê?

Sim

Anónimo

Perfil

Imagiologia, Biossinais e Instrumentação Biomédica

Quando é que participaste no programa de mobilidade?

4º ano - 1º semestre

Estudaste em que universidade, cidade e país?

TU Delft, Delft, Holanda

Quais foram os fatores que influenciaram a escolha do teu destino no programa de mobilidade?

Ranking universitário, Prestígio da universidade

O que te motivou a participar no programa de mobilidade?

Ganhar experiência pessoal, Viajar para um país estrangeiro e conhecer uma nova cultura

Descreve o teu processo de escolha das UCs realizadas no estrangeiro. Tiveste algum problema? Como o resolveste?

Ter UCs com programas semelhantes e com horários compatíveis

Consideraste o método de ensino e trabalho muito diferente? Em que aspetos?

A maior diferença é o facto de ser em quartis em vez de semestres; muitos mini projectors e trabalhos

Como foi o processo de arranjar casa no estrangeiro?

Fácil já que a universidade tem parceria com empresa de aluguer, DUWO, embora o servico não seja o melhor

Sentiste algum choque cultural? Conta algumas curiosidades acerca da diferença de culturas que presenciaste.

Relacionei me principalmente com internacionais; fiz amigos holandeses, mas a maior parte não interagia com o pessoal que vem de fora; semelhante a Portugal

Em relação às equivalências de notas. Subiste/desceste a média? Ficaste satisfeito com o processo?

Sim, embora uma ou outra nota tenha descido devido ao esquema de equivalências

Recomendas o programa de mobilidade? Porquê?

Claro, ver coisas diferentes e não ficar no Técnico durante todo o percurso académico